quarta-feira, 25 de março de 2020

Quebrar o país não é solução

Não costumo tratar de outros assuntos aqui que não sejam relacionados ao carnaval, mas abro uma exceção devido a pandemia do Coronavírus. Tenho lido e assistido uma tentativa quase que diária por parte da imprensa (em especial a Rede Globo de Televisão) em levar pânico a população neste assunto. "Fiquem em casa" é o mantra mais utilizado, é muito cômodo para pessoas que tem dinheiro dar conselhos aos pobres de como devem proceder. O curioso é que a maioria destes conselheiros nunca passou e provavelmente nunca passará pelos apuros que a dona Maria da Restinga, seu José da Bom Jesus, dona Ana da Lomba do Pinheiro, seu Alencar da Vila Cruzeiro e assim por diante passam todos os dias para colocar comida no prato três vezes ao dia (sei que o três aqui é até um exagero da minha parte em alguns casos), dona Maria está preocupada que não tem mais dinheiro para comprar a carne para fazer os pasteis que vende na rua, seu José sabe que se escritório dos doutores no centro estiverem fechados ele não vai ter sapato para engraxar. Assim como as manicures, cabeleireiros, pedreiros, vidraceiros e outras centenas de profissões que dependem de outras atividades econômicas para poderem continuar trabalhando. O que temos agora, prefeitos e governadores fechando tudo, ou quase para evitar a proliferação da doença. A consequência é a queda brutal da atividade do país, que vai levar ao desemprego em massa, fechamentos de empresas, pessoas doentes não apenas pelo vírus, mas por desnutrição, por depressão, por falta de remédios (as pessoas não terão dinheiro para comprar) e toda uma cadeia que poderá quebrar o país. Li muitas pessoas escrevendo as seguintes frases: "o governo deve...tem obrigação de...". Pessoal, governo é uma ficção que todos nós acreditamos que existe e apenas por esta razão que ele é real. Caso nós não tivéssemos esta crença o "governo" seria uma mera palavra sem sentido. Sempre que paga a conta são as pessoas comuns como você que está lendo este texto, quando compra qualquer produto e paga pesados impostos embutidos nele. Agora, se você não compra, se ninguém vende, quem vai continuar produzindo para não vender? A resposta é ninguém. Parar a atividade da economia de um país é uma das maiores violências que se está cometendo contra o povo pobre do Brasil. Cada um conhece ou é um dos personagens do meu texto, sabe que se ficar em casa sem trabalhar morre de fome. Cuidar, fazer a prevenção parabéns, excelente. Quebrar o país não, pois se quebrar quem vai sofrer as piores dores será o povo comum, que não tem dinheiro embaixo do colchão e nem em conta nos paraísos fiscais. 

E pensar que alguns anos atrás vários dos cínicos que agora estão "preocupados" com os pobres defenderam os gastos absurdos com a Copa do Mundo e Jogos Olímpicos realizados aqui. Meus parabéns pela sua hipocrisia, gostaria muito de perguntar na cara de vocês se não tem vergonha do que apoiaram, embora esta seria uma pergunta meramente retórica. 

Quebrar o país repito, não é solução.

quinta-feira, 12 de março de 2020

Carnaval da Resistência sim, mas...

Começo esta opinião parabenizando todas as escolas, entidades, comunidades e qualquer pessoa que tenha feito qualquer tipo de ação para que o Carnaval de Porto Alegre pudesse ocorrer. Meus mais efusivos parabéns, vocês merecem todos os cumprimentos e agradecimentos.

Agora vamos conversar sobre o evento em si, a qualidade apesar do esforço deixou a desejar. Não é possível admitir que voltamos a ter atrasos de horas nos desfiles, seja a razão ou razões que tentem justificar o ocorrido são apenas desculpas para aquilo que não deve e nem pode acontecer. Se um espetáculo é marcado para começar as 21 horas ele deve iniciar no horário anunciado, nem as 20:59 e nem as 21:01; as pessoas planejam seus compromissos pessoais para comparecer e desfrutar da folia, não para chegar e ficar esperando para começar ou terminar. Este é pecado imperdoável. O que era aquele Porto Seco a luz de boate, que coisa mais triste de se assistir. Nem falo da partes na completa escuridão que certamente colocou em risco as pessoas que estavam ali para desfilar ou assistir, graças a Deus não ocorreu nada que se pudesse estar lamentando hoje. O descaso do poder público com o Porto Seco mostrou mais uma vez sua face latente, é uma vergonha. Como é desde que os desfiles foram atirados naquele buraco, sob o aplausos de vários "carnavalescos", minha memória sempre me trás a lembrança da frase de um dirigente do carnaval de Porto Alegre dizendo mais ou menos assim; "não adianta reclamar, temos que aceitar e fazer deste limão uma limonada". Até hoje quando me lembro desta fala me embrulha o estômago. Porém, parece que não se aprende com os erros, a repetição para uma sina. Os dirigentes do carnaval de Porto Alegre continuam a prestar homenagens aos carrascos da festa sobre os aplausos de um grande grupo de pessoas que dizem amar o carnaval. Vamos lembrar um pouco da história da cidade e seus políticos com o carnaval. Começamos pelo final da década de 80, mais precisamente 1988, o então prefeito Alceu Collares lança a pedra fundamental do Sambódromo na Avenida Augusto de Carvalho. Collares deixa a prefeitura no final do mesmo ano. Assume a prefeitura de Porto Alegre o Partido dos Trabalhadores, Olívio Dutra (1989-1993), Tarso Genro (1993-1997), Raul Pont (1997-2001), Tarso Genro (2001-2002), João Verle (2002-2005); 16 anos, nada de sambódromo somente um chute no traseiro dos carnavalescos para o Porto Seco. Na sequencia José Fogaça (2005-2010), José Fortunati (2010-2017), podemos listar esta como a fase do "no ano que vem vamos construir o primeiro módulo de arquibancada". E por fim em 2017 esta figura nefasta para o carnaval de Porto Alegre chamada Nelson Marchesan Jr, que quem desejar pode procurar na internet o vídeo dele com o pessoal das escolas no Porto Seco, acho que não preciso explicar muito mais sobre o atual prefeito.

O que este tratamento rendeu aos políticos, Imperadores do Samba em 2012 homenagem a Paulo Paim do PT (que quando estourou o escândalo as verbas envolvendo Paulo Ferreira do PT, apagou de seu site todas as referências a homenagem), Paulo Ferreira tema da Praiana em 2016, Alceu Collares tema da União da Vila do IAPI em 2019 e por fim Olívio Dutra em 2020 no Império da Zona Norte. Será que estes ex-prefeitos merecem ser homenageados pelo carnaval de Porto Alegre? Será que Tarso Genro, José Fogaça ou José Fortunati serão os próximos? Será que para receber a gratidão do carnaval de Porto Alegre é necessário o tratar como lixo? Estas perguntas são retóricas, sei que muitos apontaram que foi a vida destes que justificou a homenagem, desculpe mas a vida deles inclui o que fizeram contra o evento carnaval ou mesmo o que deixaram de fazer. Enquanto as escolas de samba, forem subservientes a políticos e as suas tendências ideológicas não espero que nada mude.

Na minha opinião a saída do carnaval do centro da cidade para o Porto Seco não é meramente uma questão de opção ou da falta de opção, sempre vi nesta mudança um componente racial e social. Claro que o racismo é um componente importante, mas não é somente ele que esteve por detrás disto; a narrativa do negro violento, do pobre violento era desmascarada anualmente pelo povo do carnaval, mais de cem mil pessoas no centro da cidade por vários dias sem um ato de violência. Isto contrariava muito a narrativa do pobre, negro logo violento. Talvez por isto aqueles que usam este discurso, não tenham se interessado em lutar ao lado dos carnavalescos para evitar a mudança. É apenas uma percepção pessoal.

Por fim, que coisa patética o final da apuração as pessoas da mesa apuradora guardando seus objetos por que pessoas estavam ameaçando armar uma confusão. Repito que coisa patética, depois reclamam quando pessoas de fora criticam o carnaval, este é o tipo de exemplo que querem divulgar sobre o evento?

Pena o rebaixamento da União da Vila do IAPI e lamentável o não acesso da Filhos de Maria, este negócio de média de dois anos para subir é algo sem sentido. A desculpa da diferença da estrutura das escolas é para mim algo sem nexo, afinal as diferenças das escolas dos três grupos não está tão desproporcional que justifique tal "cuidado".

Carnaval da Resistência sim, mas...

segunda-feira, 9 de março de 2020

Bambas 21 vezes

Bambas da Orgia chegou ao seu 21º título no carnaval de Porto Alegre, contando seus 80 anos a águia venceu. Parabéns a escola e a sua comunidade.

Classificação final

Série Ouro
  1. Bambas da Orgia: 179,1
  2. Imperadores do Samba: 178,7
  3. Estado Maior da Restinga: 178,4
  4. Imperatriz Dona Leopoldina: 177,9
  5. Acadêmicos de Gravataí: 177 - Desempate: Bateria
  6. Império da Zona Norte: 177
  7. Império do Sol: 176,7
  8. União da Vila do IAPI: 174,4 (Rebaixada)
 Série Prata
  1. Fidalgos e Aristocratas: 178,4 - Campeã e promovida a Série Ouro
  2. Academia de Samba Praiana: 177,7
  3. Unidos de Vila Isabel: 177,3
  4. Copacabana: 177,1
  5. Realeza: 175
  6. Unidos de Vila Mapa: 173,7
  7. Academia Samba Puro: 170,7
  8. União da Tinga: 170,1
                                              
 Série Bronze

  1. Filhos e Maria: 173,9
  2. Protegidos da Princesa Isabel: 173,6
  3. Academia de Samba Cohab-Santa Rita: 170
  4. Acadêmicos da Orgia: 169,8
  5. Unidos do Guajuviras: 167,2
  6. Mocidade Independente da Lomba do Pinheiro: 167,1

Pretendo amanhã ou talvez nos próximos dias escrever sobre o carnaval deste ano de forma mais detalhada. Porém, está cada vez mais desanimador perceber que velhos problemas retornaram e novos foram adicionados ao que deveria ser melhorado para o renascimento de algo que gosto tanto; mas como escrevi isto fica para depois. Parabéns novamente a Bambas da Orgia e também para o pessoal da Fidalgos e Aristocratas e Filhos de Maria por seus títulos.

quinta-feira, 14 de novembro de 2019

Ordem dos desfiles 2020

Ordem dos desfiles

Sexta-feira - 6 de março

Série Bronze 
01: Filhos de Maria
02: Protegidos da Princesa Isabel (Novo Hamburgo)
03: Mocidade Independente da Lomba do Pinheiro
Série Prata
04: Academia Samba Puro
05: Fidalgos e Aristocratas
06: Copacabana
07: Realeza
Série Ouro
08: Acadêmicos de Gravataí
09: Império da Zona Norte
10: União da Vila do IAPI
11: Império do Sol (São Leopoldo)

Sábado - 7 de março

01: Império dos Herdeiros (Convidada - Viamão)
Série Bronze
02: Academia de Samba Cohab Santa Rita (Guaíba)
03: Unidos do Guajuviras (Canoas)
04: Acadêmicos da Orgia
05: Os Comanches (Tribo Carnavalesca - convidada) 
Série Prata
06: Unidos da Vila Mapa
07: Unidos de Vila Isabel (Viamão)
08: União da Tinga
09: Academia de Samba Praiana
Série Ouro
10: Imperatriz Dona Leopoldina
11: Imperadores do Samba
12: Estado Maior da Restinga
13: Bambas da Orgia