segunda-feira, 1 de abril de 2013

Especial em outro nível, será mesmo?

Entre as justificativas para a criação da UGESPA foi dito que esta vai cuidar melhor dos interesses das escolas do grupo especial e zelar pela melhoria da qualidade do espetáculo. Porém, no discurso também se colocou que as escolas do grupo especial estão em outro nível em relação as dos grupos de acesso e que tem que zelar para que esta "qualidade" não se comprometida com a eventual participação de escolas com menos condições vindas do acesso. Vamos agora a fatos e não opiniões sobre o assunto. Vamos começar por um pouco de história, começando pelos anos 80 em números.

*Anos 80: Bambas da Orgia (6 títulos: 1980, 1983 a 1986 e 1989), Imperadores do Samba (2 títulos, 1981 e 1988), Estado Maior da Restinga (1 título: 1987) e Império da Zona Norte (1 título: 1982)

*Anos 90: Imperadores do Samba (6 títulos: 1990, 1993, 1995 a 1998), Estado Maior da Restinga (3 títulos: 1991, 1992, 1994, 1999) e Bambas da Orgia (1 título: 1998) - Bambas e Imperadores dividiram o título de 1998.

*Anos 2000: Bambas da Orgia (4 títulos: 2002, 2003, 2004 e 2007), Imperadores do Samba (4 títulos: 2000, 2001, 2004 e 2009) , Estado Maior da Restinga (2 títulos: 2005, 2006) e Império da Zona Norte (1 título: 2008) - Bambas e Imperadores dividiram o título de 2004.

*Anos 2010: Estado Maior da Restinga (2 títulos: 2011, 2012), Imperatriz Dona Leopoldina (1 título: 2010) e Bambas da Orgia (1 título: 2013)

Observando os números acima é fácil de constatar que temos cinco escolas que foram campeãs de 1980 até 2013 e que  Bambas, Imperadores e Restinga dominaram amplamente estes 33 anos, não vencendo apenas em três oportunidades (1982, 2008 e 2010). Então colocar todas as escolas do especial no mesmo nível é irreal e não tem base nos números. O grupo especial tem três escolas hoje baseado nos desfiles recentes em outro nível, Estado Maior da Restinga, Imperadores do Samba e Império da Zona Norte. Bambas da Orgia pode ser colocada próxima por sua tradição, embora entre 2008 e 2012 foi apenas isto que manteve a escola entre as candidatas de sempre ao título e não seus desfiles. E por fim a Imperatriz Dona Leopoldina que venceu em 2010 e fez bons desfiles nos anos seguintes. Já as outras escolas que fazem parte do atual especial são de outra turma, quase como se dentro do mesmo grupo existisse um grupo A e um grupo B. Colocar que todas são do mesmo nível e com isto justificar que merecem privilégios (ter apenas uma rebaixada, que tem que se avaliar de perto quem sobe) não tem base na realidade. O carnaval de Porto Alegre nunca teve dez escolas em condições de brigar pelo título, foram sempre três que eventualmente (três vezes por curiosidade) tiveram esta hegemonia perdida. Estado Maior da Restinga, Imperadores do Samba, Império da Zona Norte estão um degrau acima de Bambas da Orgia e de Imperatriz Dona Leopoldina, que por sua vez estão dois ou três degraus acima das demais. Não são todas do mesmo nível e para piorar a defesa da tese da superioridade do grupo especial tem um negócio chamado desfile e neste alegoria quebra, fantasia rasga, quem não tem comunidade não canta o samba e assim por diante. Então menos, bem menos. Não se coloque entidades que tem como única semelhança serem escolas de samba no mesmo nível quando elas não tem, nem com toda retórica de "todo grupo especial é diferenciado". Não é.

Um comentário:

Anônimo disse...

Mas em Porto Alegre carro quebrado tbm ganha carnaval.. Basta ver a vergonha de 2013.